Agrosoft Brasil

Agrosoft: Um jeito gostoso de ficar bem informado!
Leia o Agrosoft do seu jeito: Email - Facebook - Twitter - Blogger - RSS

Produção de camarão de água doce no ES pode dobrar em um ano

Publicado em 12/01/2011 na seção noticias :: Outros formatos: Texto e PDF

Pouco conhecido no Brasil ou até confundido com lagosta, o camarão de água doce ou camarão gigante da Malásia tem grandes chances de expandir sua produção no Espírito Santo. Mesmo o Estado já sendo o maior produtor do País, a produção pode dobrar após a conclusão da construção de um laboratório, em Governador Lindenberg. O local vai reproduzir a pós-larva da espécie para fornecer aos produtores capixabas de camarão da Malásia. As obras começam neste mês de janeiro de 2011 e a previsão da entrega é de seis meses, possibilitando um salto na produção anual que é de 60 toneladas para 120 toneladas, em aproximadamente um ano.

Créditos: Assessoria de Comunicação/Incaper
Clique na imagem para vê-la no seu tamanho original.

A implantação do laboratório na Região Noroeste do Estado é uma parceria da Secretaria de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca do Espírito Santo (Seag), do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), da Prefeitura de Governador Lindenberg e da Cooperativa de Aquicultores do Espírito Santo (CEAq), que após a conclusão da obra vai realizar a gestão do laboratório.

"Hoje o gargalo da cadeia produtiva do camarão de agua de doce no Estado é a produção de pós-larva (filhote do camarão), que requer tecnologia avançada e controle sanitário extremo. Com esse laboratório em Governador Lindemberg, vamos conseguir sanar o principal entrave do setor. Há seis anos que o Estado sofria com a importação do pós-larva, o que implicava em aumento do custo e mortalidade dos animais, diminuindo a competitividade dos produtores capixabas", afirma o Gerente de Aquicultura e Pesca do Espírito Santo, Armando Fonseca.

O extensionista do Incaper, Jair Toso, aponta que o sabor do crustáceo é único e que a atividade tem forte potencial de crescimento após a implantação do laboratório. "A produção brasileira atende a menos de 5% da demanda, então a perspectiva de expansão do mercado de camarão da malásia é promissora, pois ainda existe muito mercado para ser explorado", afirma Toso.
Créditos: Assessoria de Comunicação/Incaper
Clique na imagem para vê-la no seu tamanho original.

Os municípios de maior destaque na produção são Governador Lindenberg, sendo o maior produtor do Estado, São Domingos do Norte e São Gabriel da Palha, todos na Região Noroeste. O Estado exporta o produto para outros estados brasileiros, tendo como mercado certo São Paulo. "Só não exportamos mais por falta de produto", afirma Armando Fonseca.

Segundo Jair Toso, o camarão da malásia pode representar um bom negócio. "O camarão de água doce dá uma rentabilidade de R$ 25.000,00 a R$ 30.000,00 ao ano para o agricultor que investe na atividade", afirma.

Ao todo, o Espírito Santo conta com 40 produtores de camarão de água doce, que recebem a assistência técnica do Incaper. Após a implantação do laboratório, o Instituto vai incentivar outros agricultores da região a aderirem a carcinicultura.

Com preço variando entre R$ 25,00 a R$ 40,00 o quilo, de acordo com o tamanho, o camarão da malásia pode ser utilizado nas mesmas receitas que o camarão comum, porém com um sabor exclusivo. Segundo o extensionista, "Quem conhece e consome o camarão de água doce prefere o sabor dele ao do camarão tradicional".
Créditos: Assessoria de Comunicação/Incaper
Clique na imagem para vê-la no seu tamanho original.

O consumidor que adquirir o camarão da malásia pode fazer 24 tipos de pratos diferentes com o produto, dentre eles, os favoritos dos apreciadores são a tradicional moqueca, o bobó de camarão, camarão frito na manteiga, ao alho e óleo, gratinado, empanado, camarão na moranga, além de poder vir acompanhado de catupiry ou requeijão.

Receita de camarão com requeijão

Ingredientes:

1kg de camarão médio limpo
3 colheres de sopa de manteiga
1/2 cebola média picada
2 tomates sem pele e sem semente picados
3 colheres de sopa de molho de tomate
250 g de requeijão
Suco de 1/2 limão
Folhas de alfavaca
Sal a gosto
Pimenta branca a gosto
Ervas finas a gosto

Passo a passo:

1. Primeiro tempere o camarão com sal a gosto, suco de 1/2 limão e folhas de alfavaca

2. Mexa e deixe o camarão descansar por 15 minutos

3. Depois derreta a manteiga e jogue a cebola

4. Mexa até dourar

5. Em seguida, despeje o tomate e o molho de tomate

6. Deixe cozinhar por alguns minutos

7. Depois, adicione o camarão já temperado

8. Mexa bem e deixe cozinhar por 10 minutos com a tampa da panela fechada

9. Quando o camarão já estiver cozido, coloque a pimenta e as ervas finas a gosto

10. Por último, adicione o requeijão e mexa até o queijo desmanchar

11. Para finalizar, coloque o camarão numa travessa e salpique queijo ralado para dar um gostinho especial à receita

FONTE

Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural
Assessoria de Comunicação do Incaper
Leandro Abreu - Jornalista
Telefone: (27) 3137-9868
Twitter: @Incaper

AGROSOFT
Um jeito gostoso de
ficar bem informado!
Leia o Agrosoft do
seu jeito:
Email
Facebook - Twitter
Blogger - RSS