Agrosoft Brasil

Agrosoft: Um jeito gostoso de ficar bem informado!
Leia o Agrosoft do seu jeito: Email - Facebook - Twitter - Blogger - RSS

Sorgo sacarino desponta como alternativa na produção de etanol

Publicado em 15/05/2009 na seção noticias :: Outros formatos: Texto e PDF

A demanda mundial por combustíveis renováveis tem-se expandido rapidamente nos últimos anos. Menor custo, autossuficiência em relação aos países exportadores de petróleo, redução do volume de emissões de gases do efeito estufa, incertezas a respeito da disponibilidade futura de recursos não renováveis e tensões geopolíticas em regiões produtoras do combustível fóssil são alguns dos fatores que têm despertado grande interesse pelos biocombustíveis.

Créditos: Rafael Parrella - Embrapa Milho e Sorgo
Clique na imagem para vê-la no seu tamanho original.

"Estes são os mais viáveis substitutos para o petróleo, em escala significativa. Além do apelo ambiental, o desenvolvimento de motores flex, no Brasil, aumentou ainda mais a demanda por este combustível", analisa o pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas/MG) Rafael Augusto da Costa Parrella, da área de melhoramento genético de sorgo.

Na visão do pesquisador, o sorgo sacarino é uma ótima opção, sob os pontos de vista agronômico e industrial, para a produção de etanol. Segundo ele, está havendo uma grande procura por cultivares para o fornecimento de matéria-prima durante a entressafra de cana-de-açúcar, que vai de janeiro a março, "e assim reduzir o período de ociosidade das destilarias".

"Outra vantagem é que pequenos agricultores podem utilizar o sorgo sacarino em mini e microdestilarias para a produção de etanol ou até aguardente. A cultura do sorgo se sobressai em regiões marginais, onde não se produz cana, com baixa precipitação e solos ácidos, como o Norte de Minas e o Nordeste do Brasil", enumera o pesquisador.

Outras vantagens do sorgo para a produção de etanol, se comparado à cana, são os derivados que a planta gera, como seu bagaço, que apresenta melhor qualidade biológica para o fornecimento na alimentação animal. O cereal ainda produz grãos, em torno de 2,5 toneladas por hectare. "A cultura do sorgo é totalmente mecanizável e complementa o cultivo da cana, estendendo o período de colheita por mais quatro meses", mostra Parrella. "Diante das características reveladas em outros países, principalmente nos Estados Unidos, Índia, China e em alguns países da Europa, o sorgo sacarino deve encontrar seus nichos no Brasil", defende.

NOVAS CULTIVARES ESTARÃO NO MERCADO ATÉ 2012

A Embrapa Milho e Sorgo possui um programa de desenvolvimento de cultivares de sorgo sacarino desde a época do Pró-Álcool, programa que previa a substituição em larga escala dos combustíveis veiculares derivados do petróleo por álcool, financiado pelo governo a partir de 1975 devido à crise do petróleo em 1973.
Créditos: Embrapa Milho e Sorgo - Arquivo
Clique na imagem para vê-la no seu tamanho original.

Três cultivares de sorgo sacarino foram lançadas pela Empresa na década de 1980 (a variedade BRS 506 e os híbridos BRS 601 – que ainda permanece no mercado – e o BRS 602). "Estes materiais são bastante produtivos e apresentam rendimento de aproximadamente quatro mil litros por hectare de etanol em um período de três meses e meio", apresenta o pesquisador.

Atualmente, segundo Rafael Parrella, 25 novas variedades de sorgo sacarino estão sendo avaliadas pela Embrapa Milho e Sorgo em diversas regiões brasileiras por um período mínimo de dois anos. "Desta forma, esperamos lançar novos materiais em um prazo de até três anos', adianta.

De acordo com o pesquisador, estas variedades são bastante promissoras e apresentam produtividade em torno de 50 toneladas por hectare de biomassa verde por ciclo e boa sanidade de folhas. Além disso, estão sendo realizados novos cruzamentos visando o desenvolvimento de linhagens sacarinas, inexistentes no Brasil hoje. "Estas linhagens serão utilizadas para a confecção de híbridos experimentais sacarinos, que serão avaliados em todas as regiões brasileiras para posterior recomendação", adianta.

Outra vertente – denominada segunda geração de biocombustíveis, onde a matéria-prima precisa passar por hidrólise para ser fermentada e produzir o biocombustível – também vem sendo desenvolvida pela Embrapa Milho e Sorgo.

"Para esta tecnologia, estão sendo desenvolvidos híbridos experimentais de sorgo, sensíveis ao fotoperíodo, que apresentam alta produtividade de biomassa por hectare (50 toneladas por hectare de matéria seca). A curto prazo, esta tecnologia estará definida e será necessário possuir matrizes energéticas capazes de atender a esta nova demanda com a maior eficiência possível", conclui o pesquisador.

MAIS INFORMAÇÕES

Área de Comunicação Empresarial
Embrapa Milho e Sorgo
Telefone: (31) 3027-1223
E-mail de contato

FONTE

Embrapa Milho e Sorgo
Guilherme Ferreira Viana - Jornalista
Telefone: (31) 3027-1223

AGROSOFT
Um jeito gostoso de
ficar bem informado!
Leia o Agrosoft do
seu jeito:
Email
Facebook - Twitter
Blogger - RSS